glaucoma1-1024x768

Glaucoma – tutorial completo para pacientes

Se o seu objetivo é entender de uma vez por todas o que é o glaucoma e quais as implicações dessa doença, você acabou de achar o local correto!

[pullquote] Meu nome é Raphael Trotta, sou médico oftalmologista, e resolvi escrever essa página para servir de fonte de consulta para os pacientes que acabaram de ouvir sobre o assunto e estão cheios de dúvidas sobre esse problema. Se persistirem questionamentos, agende uma consulta com seu oftalmologista e esclareça todas as suas dúvidas sobre o assunto! [/pullquote] [highlight]Então vamos lá (e bem devagarzinho, para ficar fácil de entender).[/highlight]

 

O glaucoma é um tipo de neuropatia óptica.

Quando dizemos “neuropatia”, queremos dizer “doença de nervo”. Tudo bem… Mas qual nervo? Nesse caso… O nervo óptico (nervo da visão)!

Então, o nosso primeiro conhecimento de hoje é: [highlight]glaucoma é um tipo de doença do nervo da visão. [/highlight]Mas quem é esse tal de nervo da visão?

 

Se você preferir, recomendo que faça uma pequena pausa e leia esse artigo aqui: manual de anatomia do olho humano. Ele contém todas as informações necessárias para você entender como funciona o nosso olho por dentro e para identificar todas as estruturas.

 

Mas vou fazer um breve resumo caso você não esteja com vontade de ler o outro artigo.

 

Esse aqui é o nosso olho partido no meio:

 

olho normal

 

 

Repare que na parte da frente do olho, temos a córnea, logo atrás está o cristalino (em inglês: “lens”).

 

Depois temos a retina, que é aquele filete amarelo que vai seguir até uma estrutura um pouco calibrosa, bem na parte de trás do olho, [highlight]que se chama nervo óptico (“Optic nerve”).[/highlight]

 

[pullquote] O nervo óptico recebe as informações da retina e vai levá-las até o nosso cérebro para que possamos enxergar as imagens que chegam até o nosso olho (se quiser entender o funcionamento da visão e a importância da retina e do nervo óptico para enxergarmos bem, leia esse artigo aqui). [/pullquote]

Reparou que o nervo óptico possui um buraquinho bem em sua região central?

 

A esse buraquinho, damos o nome de [highlight]escavação do nervo óptico. [/highlight]Portanto, o nervo da visão de praticamente 100% das pessoas possuem essa escavação (algumas pessoas possuem o que chamamos de “papila cheia”, que ocorre quando não vemos esse buraquinho).

 

Quando o oftalmologista realiza o exame oftalmológico de fundo de olho, a imagem que ele vê é essa aqui:

fundo de olho fundoscopia glaucoma

Esse é o seu fundo de olho. Fantástico, não é verdade? O oftalmologista tem acesso a essa visão direta dos vasos sanguíneos e demais estruturas com um simples exame de fundo de olho!

[highlight]Bem no meio, você vê uma estrutura arredondada, que é justamente o nervo óptico.[/highlight]

 

Do meio dele saem alguns vasos sanguíneos que vão levar nutrientes e oxigênio para a retina (que no caso é esse fundo alaranjado, cobrindo todo o fundo de olho).

 

[highlight] Você reparou que o nervo óptico possui um buraquinho mais branquinho no meio? Essa é a escavação do nervo óptico e, nessa foto aí em cima, ela está completamente normal. [/highlight]

 

Vamos entender mais detalhadamente como é o nervo óptico. Veja essa próxima imagem:

 

nervo óptico glaucoma

 

Nela, podemos observar as seguintes estruturas:

  1. “Cup” ou escavação
  2. “Disc” ou disco óptico (mesma coisa que a “cabeça do nervo óptico)
  3. “Cup edge” ou limites da escavação
  4. “Neuroretinal rim” ou rima neurorretiniana (camada de fibras nervosas)
  5. “Scleral ring” ou anel escleral, que corresponde aos limites do disco óptico
  6. “Cup/disc ratio” que é a relação entre o tamanho da escavação com tamanho do disco

 

O nervo óptico representa o prolongamento das fibras nervosas da retina. Quando elas atravessam o anel escleral (veja na foto, onde está escrito “scleral ring”) elas se reúnem e formam em conjunto o nervo óptico.

 

O nervo da visão possui uma parte cheia de fibras nervosas que estão transmitindo os impulsos elétricos da visão (“neuroretinal rim” ou rima neural – a parte que contém as fibras) e um espaço vazio no meio, que é a própria escavação (“cup”).

 

Os limites da escavação e o início das fibras nervosas estão marcadas na imagem com os dizeres “Cup edge”. E por fim, o principal parâmetro que levamos em consideração para avaliar se o tamanho da escavação está normal é a relação entre o tamanho da escavação e o nervo inteiro (“cup” e “disc”).

 

Enfim… O que você precisa entender é que:[highlight] o nervo da visão possui fibras nervosas ao redor, que transmitem a visão, e um espaço vazio no meio.[/highlight]

 

Agora, veja uma outra imagem de um outro fundo de olho. Repare o tamanho do buraquinho do nervo óptico:

 

glaucoma

 

[blockquote]Viu como nesse caso a escavação está mais ampla?[/blockquote]

 

Esse é um caso típico em que a escavação do nervo óptico tem um [highlight]padrão glaucomatoso.[/highlight]

 

Pense um pouco: se o tamanho do buraquinho aumentou (e o tamanho do nervo continuo o mesmo), significa que alguma coisa cedeu lugar para ele… [highlight]Logo, se o buraquinho aumentou, as fibras nervosas diminuíram![/highlight]

 

Assim sendo, quando o glaucoma evolui, existe morte das fibras nervosas que estão passando naquela região, dando lugar para um espaço vazio que só vai crescendo [highlight](a escavação).[/highlight]

 

Ou seja… temos uma doença que está fazendo o nervo óptico perder fibras nervosas que conduzem a visão!

 

[blockquote]Por isso o glaucoma pode levar à cegueira.[/blockquote]

 

Se o glaucoma continua evoluindo e a pessoa não procura tratamento, a escavação continua aumentando. Veja mais uma foto, com a escavação ainda maior:

 

glaucoma deixa cego sintomas

 

Repare que nessa foto praticamente não conseguimos enxergar mais as fibras nervosas em algumas regiões. Nessas regiões em que existe uma perda maior de fibras nervosas, [highlight]praticamente não existe visão.[/highlight]

O grande problema do glaucoma é que nem sempre ele incomoda. Só em estágios mais avançados ele leva a um impacto na visão. Em casos iniciais, o paciente pode nem notar as alterações do campo de visão, pois as perdas de visão ocorrem mais na periferia. Aos poucos o campo de visão vai piorando, até chegar um momento em que só existe uma percepção da visão central, como nessa imagem aqui embaixo, que simula a visão de um paciente com glaucoma:

 

visão com glaucoma

 

[blockquote]Tudo bem… Então você deve estar se perguntando: “Entendi que o glaucoma é uma doença do nervo da visão, que faz com que o buraquinho que existe no meio dele vá crescendo ao longo do tempo, o que significa que vai ocorrendo perda das fibras nervosas que estavam ali. Tudo bem, mas… Por quê?”[/blockquote]

 

Pois essa é uma excelente pergunta…

 

Na [highlight]ENORME MAIORIA[/highlight] das vezes, a progressão do glaucoma acontece pelo aumento da pressão intra-ocular (sim, a pressão que existe dentro do olho).

 

Quando a pressão do olho se eleva, as fibras nervosas que estão formando o nervo óptico acabam sendo levadas a um complexo processo de morte celular programada (o que chamamos de apoptose). Mas para entender melhor essa parte, vamos falar sobre isso separadamente.

 

No próximo artigo, vamos dar continuidade nesse assunto e falar um pouco mais sobre as diferentes formas do glaucoma, fatores de risco e diagnóstico.